ESE: Capítulo 21

 

Cidade.

 

Enquanto segurava o pescoço do jovem, One se aproximou do ouvido dele e falou friamente:”Você vai me contar tudo. Sem nenhum erro. Caso contrário…”Ele sorriu:”eu irei moer os seus ossos, rasgar a sua carne e então… beber o seu sangue..”

 

O jovem tremeu e assentiu. One soltou o pescoço dele e então o jovem ficou de joelhos rapidamente:”E-eu lhe explicarei o q-que quiser, jovem mestre!”

 

One assentiu e olhou ao redor. Várias pessoas olhavam para eles, algumas após terem contado visual com ele, saíram, mas grande parte ainda ficou. One olhou para o jovem:”Me leve até  a cidade mais próxima. Você pode tentar me colocar em uma armadilha, mas lembre-se….se eu continuar vivo significa que você já morreu.”

 

O jovem se levantou e assentiu.

 

“S-siga-me, j-jovem mestre!” Disse ele enquanto tremia levemente. Os pensamentos dele eram uma bagunça.

 

O plano era fazer aquele jovem como bode expiatório, se ele realmente conseguisse derrotar os homens eu tentaria manipulá-lo, dado a sua aparência inocente não deveria ser tão difícil… Mas eu nunca esperei que esse filho da puta de rosto inocente fosse um lobo! Um lobo em pele de cordeiro.’

 

O jovem pensava várias coisas enquanto seguia em direção a cidade. O mesmo acontecia com One, que seguia o jovem.

 

‘Eu já decidi ser um cultivador. Não recuarei agora por motivo algum. Aqueles que tentam me usar… serão usados!’

 

‘Não serei bom nem ruim. Não punirei a maldade e nem realizarei a justiça. O que eu quiser eu tomarei. Ninguém me impedirá de nada.’

 

Após meia hora seguindo o jovem, eles avistaram uma grande cidade a uns dois quilômetros. One olhou para aquela muralha extensa, que protegia a cidade, e não pode evitar de pensar em Doncrow e Ashley. O dia em que ele dormiu em uma cama de verdade. foi por causa deles. Também por causa deles que ele esteve presente em uma cidade, mesmo que não pudesse ver seus arredores corretamente.

 

Seguindo em frente eles logo pararam em frente ao portão da cidade. O portão era imenso e tinha dez metros de altura e dez metros de largura. One não pode evitar ficar admirado. Quando ele saiu da cidade onde ficou com Ashley e Doncrow, ele viu um portão também, mas não deste tamanho. No máximo, o portão tinha quatro metros de altura e quatro metros de largura.

 

Em frente ao portão havia vários guardas e uma imensa fila. Sério, imensa mesmo. Até mesmo o jovem quando viu aquela fila não pode evitar suspirar e murmurar”*Suspiro*Essa fila deve ter de dois mil a três mil pessoas… eu realmente não esperava ter que voltar aqui tão cedo…”

 

One não pode evitar perguntar ao jovem:”Não há uma maneira de passar mais rapidamente?” O jovem, que parecia ter esquecido da existência de One, se virou e respondeu respeitosamente:”Há uma maneira, jovem mestre.”

 

“Diga qual.” Disse One. O jovem então disse:”É uma maneira para os cultivadores. Você só precisa ir na frente dos guardas e demonstrar alguma técnica do seu elemento…” O jovem então começou a bajular:”Mas com sua enorme força e capacidade, não haver nenhum problema com isso.”

 

One franziu o cenho enquanto pensava.

 

‘Demonstrar uma técnica do meu elemento… este é realmente um belo sistema! Seria ainda melhor se funcionasse para todos, já que eu não tenho técnica alguma, muito menos controle sobre um elemento…”

 

*Suspiro*

 

“Esperemos na fila mesmo…” Disse One calmamente. O jovem parecia surpreso por sua escolha, mas não falou nada.

 

Tempo passou.

 

Após esperar por dois dias na fila, eles finalmente conseguiram entrar dentro da cidade. One olhou para o jovem e então perguntou:”Você sabe algum lugar barato para um rápido descanso?”

 

O jovem sorriu e assentiu:”Eu conheço um muito bom, siga-me, jovem mestre.”

 

Eles atravessaram a cidade e assim One pode, pela primeira vez em sua vida, ver o que havia de tão especial em uma cidade.

Após andar pelas ruas da cidade ele pode classificá-la como:

 

Um lugar para o comércio; grande quantidade de produtos.

 

Um lugar para os ricos; devido a ter bastante produtos eles eram, obviamente, caros. Viver em uma cidade sem ter dinheiro ou alguém para apoiá-lo seria como viver no inferno. Mesmo que você trabalhasse isso não adiantaria de nada, no máximo, você estaria evitando sua morte momentaneamente. Isso por causa do exploramento entre as pessoas.

 

One e o jovem entraram dentro do que parecia ser um bar. As pessoas iam e vinham. Nas mesas, conversas de todos os tipos eram ouvidos de diferentes pessoas. O jovem foi até a recepção e falou com uma das mulheres.

 

“Você poderia me arrumar um quarto?” Perguntou o jovem com um sorriso no rosto. Uma das recepcionista olhou para ele e para One e sorriu amargamente enquanto se desculpava:”Me desculpe, mas o último quarto acabou de ser alugado.”

 

O jovem suspirou e quando se preparava para falar a One sobre outro lugar, One perguntou calmamente a mulher:”Quem alugou o último quarto?”

 

A mulher pareceu um pouco surpresa por sua pergunta, mas olhou ao redor e logo apontou para um homem gordo.

 

“Aquele cavalheiro.” Disse a mulher calmamente.

 

One sorriu para ela e se virou. O jovem só escutou”Fique aqui. O quarto logo ficará vago.”

 

One seguiu calmamente o homem. O homem subiu as escadas para se direcionar aos quartos e One também.

Com um sorriso calmo, seus olhos puros e seu rosto inocente, ninguém suspeitou deste jovem, mesmo que ele carregasse algumas espadas, afinal, todos neste bar ou grande parte havia enfrentado situações de vida ou morte.

  • Wesley soares

    curti muito essa novel. Perdoe-me por ser preguiçoso e só comentar agr. kkkkkkkkk

    • Eric Rodrigues Santana

      Tudo bem kkk