ESE: Capítulo 19

Partida.

 

One acordou de seu longo sono e se espreguiçou. Ele havia dormido bem. Um sono tranquilo e relaxante.

 

Ele saiu de sua cabana e olhou para o céu. O Sol brilhava intensamente, por algum motivo ele teve a sensação que o Sol sorria pra ele.

 

“Estou ficando maluco… deve ser a falta de ver outro ser humano…”

 

One não pensou nada a respeito do Sol sorrir pra ele. Na pior das hipóteses, ele estava louco e na melhor ele ainda estava sonhando.

 

O barulho da água despencando e batendo nas pedras, o balançar das folhas e o barulho dos animais relaxavam a mente de One. Infelizmente, a despedida estava próxima.

 

Ele foi até a floresta e se esbaldou na comida. Apesar de se sentir triste por ter de sair de um lugar tão calmo e relaxante, ele ainda estava feliz. A felicidade de começar verdadeiramente o seu cultivo. O mundo era vasto e ele era somente um ponto, pelo menos, por enquanto. Por causa de sua felicidade ele acabou comendo no meio da floresta mesmo.

 

One voltou a sua cabana e a observou por alguns minutos.

 

Ele havia vivido um ano e seis meses dentro desta cabana. Mesmo que tenha sido construída porcamente ainda era a única coisa a qual ele podia chamar de lar. Ele pegou uma de suas espadas e escreveu um nome em uma das paredes da cabana.

 

‘One’

 

O seu nome. Isso significava que a cabana seria sua para sempre, não importando quanto tempo passasse. Talvez em um futuro distante ele voltasse a este lugar e a cabana ainda estivesse de pé.

 

Ele se despiu e deu um último mergulho nas águas da cachoeira. As águas azuis a qual ele se banhara todos os dias seriam deixadas para trás, junto a sua cabana. Após sair da água ele se vestiu novamente, seu corpo ainda estava molhado, mas isso não era importante.

 

One pegou suas espadas, que estavam embainhadas, e seu pergaminho, que agora já não era tão útil.

 

Com passos lentos, One atravessou a floresta e então subiu a montanha a qual cercava toda esta região.

 

No alto da montanha ele olhou para a floresta, para a cachoeira e sua pequena cabana. Curiosamente, este era o mesmo lugar a qual ele havia visto a floresta pela primeira vez.

 

“Adeus!”

 

Em um futuro distante, esta floresta seria conhecida por sua lenda. A lenda de que um ser superior a todos os outros viveu neste lugar. A lenda da cabana, que se transformou em um dos itens mágicos mais importantes, já existentes. O lugar a qual One treinou seu corpo seria conhecido como o melhor lugar para aqueles que desejam treinar o seu corpo… Mas tudo isso em um futuro muito, mas muito distante…

 

One se virou e então desceu a montanha. Ele não sabia onde estava e não sabia para onde ir, mas sabia que deveria seguir em frente, e foi exatamente isso que ele fez: ele andou em linha reta.

 

Ele passou por florestas, por cadeias de montanhas e vários outros lugares. Ele viu várias pessoas no caminho, mas ninguém ousou se aproximar dele. Apesar de seu rosto inocente e seus olhos azuis puro, ele carregava três espadas em sua cintura, o que naturalmente causava medo nas pessoas.

 

Enquanto passava por uma estrada de terra ele viu um cinco homens correndo atrás de um jovem. Os homens gritavam furiosamente para o jovem.

 

“Seu desgraçado!! Volte aqui!!”

 

“Bastardo!Eu vou matar toda sua família!!”

 

“Dê o que é nosso! Seu ladrão barato!”

 

“Seu verme insolente!!!”

 

“Seu frango! Pare de correr!”

 

O jovem, apesar de estar em uma situação ruim e ter uma expressão de medo, ele ainda olhava para trás e retrucava.

 

“Hahahaha! Vocês não conseguem pegar um frango? Hahahah, realmente ridículo! O que aconteceria se soubessem que cinco homens não conseguem pegar um frango??”

 

Os homens pareciam ficar ainda mais furiosos quando o jovem retrucava.

 

O jovem continuou correndo pela estrada de terra, mas já estava ficando cansado. Ele já estava correndo por uma meia hora e não sabia quanto mais tempo ele agüentaria. Os homens estavam a dez metros de distância dele e continuavam se aproximando.

 

Enquanto corria o jovem olhou para as pessoas, que passavam pela estrada de terra, e analisou qual ele poderia pedir para ajudá-lo. Algumas eram fracas e não seriam de ajuda nenhuma, Outras eram tão fortes que só olhar para elas já causava o couro cabeludo do jovem tremer. De repente os olhos dele brilharam.

 

“É ele! Ele vai me ajudar, queira ou não!” Murmurou o jovem enquanto corria em direção a uma pessoa.

 

Os homens estavam cada vez mais perto e então de repente o jovem parou. Os homens pararam e olharam para o jovem.

 

“Desistiu? Isso mesmo, aceite o seu destino!”

 

“Não se preocupe. Você não morrerá até pegarmos o que é nosso!”

 

O jovem sorriu e se escondeu atrás das costas de outro jovem, que estava a dois metros de distância dele.

 

E então ele balançou a cabeça, enquanto sorria:”Eu não desisti. Na verdade, tudo foi planejado pelo grande e jovem mestre. Querem resolver o problema? Falem com o jovem mestre.”