ESE: Capítulo 17

Grunhido.

 

Os movimentos de One eram suaves, pois ele havia praticado isso continuamente nos oito meses que passaram. Ele fechou seus olhos e tentou sentir o Qi dos elementos.

 

Em sua mente ele estava sentado em meio a escuridão. Não havia mais nada, senão ele executando a técnica.

 

2 horas…

 

3 horas…

4 horas…

 

5 horas…

 

Após cinco horas ele finalmente sentiu algo. No meio da escuridão surgiu um Qi. O Qi da água. Ele era azul e diferente do Qi do fogo, que estava em forma de uma pequena chama, ele parecia uma gota do tamanho de um dedo. Parecia que o Qi da água era mais forte que o de fogo, porque havia grande quantidade de água na frente de One. Se em vez disso fosse fogo então o Qi do fogo seria mais presente. Antes mesmo que One pudesse fazer algo o Qi da água desapareceu.

 

10 horas…

 

One saiu finalmente de seu transe. Suas mãos estavam doloridas por terem se movido durante tanto tempo. Apesar de não ter conseguido adquirir o Qi neutro ele ainda estava feliz. A aparição do Qi da água mostrava que ele estava progredindo. Ele se alimentou e logo depois disso ele dormiu em sua cabana.

 

O cansaço de estar naquele transe era maior do que quando ele treinava o corpo físico porque ele ficava cansado mentalmente.

 

One dormiu aproximadamente 15 horas. Após acordar ele reacendeu a fogueira e começou a tentar adquirir o Qi neutro.

 

Meia hora depois de ter começado ele conseguiu sentir fracamente o Qi do ar, mas assim como o da água, ele desapareceu antes mesmo que One pudesse fazer algo. Ele não podia fazer nada a não ser balançar a cabeça, mas mesmo assim ele continuava feliz.

 

One continuou praticando isso todos os dias. Ele treinava o seu corpo diariamente na água da cachoeira também.

***

Um ano de seis meses após começar a viver na floresta.

 

One estava praticando a técnica de cultivo enquanto tentava adquirir o Qi neutro. Depois de praticar por tanto tempo a técnica de cultivo, seus braços se moviam suavemente. Parecia natural. Se um especialista estivesse presente ele perceberia a pequena presença do Qi dos quatro elementos.

 

Na mente de One, ele estava em meio a escuridão. Só havia ele, mas de repente o Qi da água, do fogo, da terra e do ar apareceram. One olhou atentamente para eles, mas não se moveu. Qualquer movimento poderia fazer com que todos seus esforços fossem por água abaixo. O Qi do ar parecia um pequeno redemoinho e estava ao leste. O Qi da terra era o maior e estava em formato uma rocha, ele estava ao oeste de One. Apesar de estar do tamanho de um dedo, One podia sentir o quão vasta e imensa era a terra só olhando para ele. O Qi do fogo continuava a ser uma pequena chama do tamanho de uma unha e estava ao norte de One. O Qi da água era igual a quando apareceu anteriormente, uma gota azul do tamanho de um dedo. Ele estava ao sul de One.

 

De repente todos os Qi tremeram loucamente. One franziu o cenho e olhou ao seu redor. Antes que ele pudesse fazer qualquer coisa os quatro Qi voaram para ele. Quando chegaram perto de seu corpo eles entraram na barriga dele.

 

One saiu de seu transe. Quando um sorriso estava prestes a surgir em seus lábios sua expressão mudou para choque. Seu rosto ficou pálido e todos os musculos de seu corpo tremeram. Ele caiu para trás e seu corpo começou a tremer violentamente.

 

“AAÁAAAAAAAAAHAAAAAAAAHH.” One gritou. Neste momento ele sentiu como se a tortura do Senhor Liu nem merecesse ser chamada de tortura. A dor que ele sentia neste momento era tanta que ele podia jurar que sua carne estava sendo rasgada, seus ossos quebrados e até mesmo que bilhões de insetos devoravam seu corpo.

 

“AAAAHAAAAAAAAHAAAAAAAAA.” Seus gritos só aumentavam com o tempo. Ele tinha perdido sua força. Ele não conseguia e nem podia resistir.

 

One continuou gritando por três dias e três noites.

 

De repente seu corpo parou de tremer e o silêncio voltou a floresta que sempre fora calma.

 

A cor do rosto de One voltou ao normal. Uma leve luz começou a surgir no meio de sua barriga. Era o seu Dantian.

 

Os quatro elementos haviam se juntados para formar o Dantian de One. Infelizmente ele não sabia de algo. Um Dantian é formado pela reunião do Qi. Quando alguém começava a formar o seu Dantian, essa pessoa formava aos poucos, ou seja, ela reunia o Qi lentamente e eventualmente o Dantian se formaria e assim a pessoa não sentiria nem uma dor, mas o que aconteceu com One foi diferente. Ele cultivou a técnica milhares de vezes e sempre que isso acontecia aparecia o Qi de um dos elementos, mas eventualmente sumia. A verdade era que o Qi não sumia e sim estava se armazenando. One não tinha aptidão com nenhum dos elementos e por isso ele nunca conseguiria absorver somente o Qi sozinho, ele precisava que todos os Qi se juntassem para que ele os absorvesse. E assim que ocorreu a aparição simultânea dos quatros elementos, eles voaram para One. Dentro de seu corpo eles explodiram com grande quantidade de poder e então se anularam formando assim o Qi neutro. Quando esse Qi foi formado, o Dantian de One se formou também, pois a quantidade de Qi neutro era enorme devido aos quatros elementos terem sido armazenados durante tanto tempo e essa foi a causa da dor excruciante de One.

 

Como, de repente, seu corpo explodiu com uma grande quantidade de Qi neutro, seu Dantian foi formado violentamente. Era como se ele tivesse a água de um lago sem ter um lago. Quando o lago foi criado a água foi despejada violentamente causando assim sua dor.

 

O corpo de One tremeu levemente. Seu Dantian já havia sido criado. Devido a ter tanto Qi neutro ele já havia subido direto para o 1°Passo sem ter que perder tempo absorvendo mais Qi.

 

“AAARRGHHGGGHHGHG!!” Um pequeno grunhido saiu da boca do inconsciente One. Apesar de seu grunhido ter saído baixo tudo ao redor tremeu. Os pássaros voaram, as árvores balançaram violentamente e as rochas mais fracas quebraram.

 

A vários milhares de quilômetros de One havia uma cidade.

 

Todas pessoas de repente tremeram.

 

“O que está acontecendo??”

 

“Que rugido foi esse?!?!”

 

“Uma nova espécie?!?!”

 

O grunhido de One parecia ter sido o rugido de uma criatura viciosa, não, não uma criatura viciosa e sim, a criatura mais maligna.

 

Nesse momento todas as tropas da cidade se mobilizaram. Apesar de não saberem onde a criatura estava, eles ainda assim o fariam. Esta criatura não deveria continuar a viver.

 

Uma criatura maligna acabava de surgir.

 

Seria mais certo dizer, a encarnação do mal tomou forma.